segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

CARNABLUES MOÇADA!!!!!!!!!


Detesta carnaval?
Só fique em casa se quizer, neste carnaval o nosso amigo Edu Gaspar organizou uma balada pra lá de bacana, o CARNABLUES. Este evento que conta com as melhores bandas de blues da atualidade será realizado no Mr. Blues, tradicional casa de blues de Sampa.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

***FELIZ 2008***

Me ligaram perguntando se o blog tinha morrido, nada disso, eu apenas estava tirando meu merecido descanso neste final de ano.
A propósito, feliz 2008, muita saúde e sucesso a todos.

SUA DIGITAL

Palheta - prós e contras
Para aqueles que ainda se perguntam sobre o uso ou não da palheta para o slide, eu digo: Tanto faz! Como tinha dito antes, isso aqui não é bíblia afinal, a escolha é sua se deseja usar uma palheta ou não.
Eu aconselho a usar tanto a palheta como seus dedos. A primeira vantagem de utilizar a palheta é que, provavelmente, você já sabe como, e por isso é mais confortável. Em segundo lugar, o ataque do plástico da palheta no metal resulta em um som alto e bom. Ela pode, contudo, causar ruídos indesejáveis se você não for cuidadoso.
Sem a palheta, a tendência é que, num primeiro momento, apareça um certo desconforto causado pelo contato de sua pele com o aço da corda (acaba sumindo com o tempo), porém é possível ter o máximo de controle sobre as notas que estão em execução. A desvantagem é que você pode ter de gastar tempo para o aprendizado de uma nova abordagem na mão direita.

Todo músico, de todos os estilos, costumam ter um cacoete, vício, mania ou marca registrada, que percebemos depois de nos acostumarmos a ouvi-los. No slide isso se dá pela época ou região que o determinado fulano viveu (o tal “slideiro”), isso abrange da voz ao fraseado no instrumento. De qualquer forma, o vibrato e o som do vidro na corda estarão lá.

O que veremos agora é o fraseado, o diálogo, que fazemos quando estamos tocando. Não acho que exista algo mais importante do que ouvir todos os caras possíveis que tocam slide (como tinha dito antes) e “sugar” o máximo de frases possíveis que conseguir, pois mesmo sem saber fazer direito o que se ouve, a frase de alguma forma fica na tua cabeça e assim, conseguimos repetir ou fazer algo bem parecido.

Exemplo: Clique aqui e baixe um som que fiz (gravação tosca)

Alguns exemplos:
Robert Johnson e Elmore James usavam muito esta frase no início de algumas de suas composições

Outra frase muito usada por Elmore James

Quando você ouvir algum link interessante de slide assimile a idéia dele, não acho necessário “tirar” exatamente o que está sendo tocado, parta do princípio de que é mais interessante formar um diálogo utilizando as frases do que tocar aquele link do Blind Willie McTell super cabeludo, mas que não se encaixa na música naquele momento.

Apesar de ter postado aqui algumas tablaturas, não sou defensor destas, o slide se aprende na audição de artistas e na troca de informações entre pessoas que se utilizam dele, por isso, aconselho a quem está lendo que procure também outros “slideiros” por aí, para poder aumentar sua biblioteca.

Preparei alguns exercícios simples, mas que poderão dar um pontapé inicial nesse negócio, todos eles possuem um arquivo de áudio para facilitar um pouco (não esqueça, a gravação é tosca, mas o slide tá aí).

Lembre-se, estamos usando a afinação open G (D G D G B d)

1º exercício:
Bom para se treinar a técnica do abafamento de cordas e se você optou por tocar sem palhetas também vai ser útil. Pra falar a verdade é um pouco de tudo.
Esse exercício será nossa “base” (mais pra frente faremos o solo e a base juntos).

Arquivo sonoro do exercício 1 => Clique aqui

2º exercício:
Esta é uma frase muito usada no inicio das músicas onde esta a tônica...



3º exercício:
Outra seqüência muito usada na tônica da música...


Arquivo sonoro do exercício 3 => Clique aqui



4º exercício:
Aqui estamos preparando o IV grau...

Arquivo sonoro do exercício 4 => Clique aqui



5º exercício:
Outra frase que usamos na tônica...

Arquivo sonoro do exercício 5 => Clique aqui




6º exercício:
Nesta frase estamos no V grau e descendemos ao IV grau para poder finalizar na tônica

Arquivo sonoro do exercício 6 => Clique aqui



7º exercício:

Aqui mostro um turn a round simples que finalizaremos o compasso...

Arquivo sonoro do exercício 7 => Clique aqui

Estes exemplos são simples, pretendo inserir muito mais a respeito, sempre elevando o nível de dificuldade, a minha idéia é de que o leitor possa se familiarizar mais e mais com a técnica e a linguagem do slide. Apesar de parecerem chulos, esses exercícios vão dar o alicerce de que se precisa para chegar a um nível mais complicado que pretendo postar aqui. Levando a sério e dando um passo de cada vez, vocês verão que a percepção auditiva das notas ficará mais fácil.

Espero ter ajudado por enquanto. Futuramente, seguindo os conselhos de meu amigo Roberto Terremoto, postarei alguns exercícios com vídeo, que deverão facilitar um pouco mais.


Na próxima postagem montaremos alguns acordes na afinação open G.

Marceleza

MANHAS DO AGRESTE

Se você acha que seu slide fica “bamba” no dedo, aconselho a colar um pedaço de cortiça (rolha de vinho) dentro dele, isso facilitará seu controle e evita que ele voe no olho de algum espectador quando você estiver quebrando tudo no palco ou estudando.
Use cola branca para fixar e procure colocar alguma coisa dentro do slide pra pressionar a cortiça contra o vidro, demora 24hs pra secar.

Abralhos

Marceleza...................